Domingo, 14 de Julho de 2024
Publicidade

Caravana da Rede Cuidar completa sete dias com mais de 3 mil atendimentos e procedimentos realizados no interior da Paraíba

A Caravana da Rede Cuidar – iniciativa do Governo da Paraíba que leva assistência médica especializada e atendimento humanizado diretamente às comu...

09/07/2024 às 15h51
Por: Victor Leal Fonte: Secom Paraíba
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba

A Caravana da Rede Cuidar – iniciativa do Governo da Paraíba que leva assistência médica especializada e atendimento humanizado diretamente às comunidades nas diversas regiões do Estado – segue os atendimentos nesta terça-feira (9), na cidade de Taperoá; e na quarta (10), no município de Picuí. A ação, que está percorrendo um total de 13 municípios, completou sete dias de atividades nesse domingo (7), na cidade de Pombal, e continua até o próximo sábado (13).

Durante oito dias de caravana, foram realizados 3.496 atendimentos e procedimentos, incluindo consultas médicas, exames e procedimentos de saúde. O número reflete as passagens nas cidades de Monteiro, Princesa Isabel, Itaporanga, Cajazeiras, Sousa, Catolé do Rocha, Pombal e, finalmente, Patos. Desses atendimentos, 90,96% foram realizados por médicos e profissionais de enfermagem, enquanto 9,04% foram odontológicos. Além disso, 58,18% dos pacientes atendidos eram do sexo feminino e 41,82% do sexo masculino.

Ao longo da semana, a Caravana da Rede Cuidar proporcionou uma série de serviços: consultas realizadas com especialistas em diversas áreas, incluindo cardiologia, pediatria e ginecologia; exames de imagem, como ultrassonografias e ecocardiogramas, além de exames laboratoriais e procedimentos de menor complexidade, incluindo pequenas cirurgias e tratamentos dentários. Destaca-se que a maior parte dos diagnósticos realizados foram cardiológicos.

O secretário de Estado da Saúde, Ari Reis, ressaltou a importância da regionalização da assistência à saúde proporcionada pela caravana: “A Caravana da Rede Cuidar é um exemplo concreto de como a regionalização da assistência à saúde pode transformar vidas. Ao levar serviços especializados diretamente para as comunidades, estamos não apenas oferecendo tratamento imediato, mas também promovendo a prevenção e o diagnóstico precoce de doenças, garantindo que todos os cidadãos tenham acesso ao cuidado necessário.”

Já a coordenadora da Rede Cuidar, Juliana Soares, enfatizou sobre o trabalho em equipe e a dedicação dos profissionais envolvidos na caravana. “A Caravana da Rede Cuidar é um esforço coletivo que envolve médicos, enfermeiros, técnicos e muitos outros profissionais comprometidos com a saúde pública. Nosso objetivo é garantir que cada pessoa atendida receba o melhor cuidado possível, e os resultados que alcançamos nesta semana mostram que estamos no caminho certo. A presença da caravana não se resume apenas ao atendimento, mas também à construção de uma rede de saúde mais forte e integrada”, enfatizou.

A Rede Cuidar proporciona atendimentos especializados por telemedicina o ano todo em cardiopediatria, ortopedia pediátrica, fisioterapia, odontologia, nutrição, enfermagem, serviço social e psicologia, garantindo assistência de alta qualidade para crianças e gestantes de todas as Regiões de Saúde da Paraíba. Com essa abordagem multidisciplinar, o programa busca atender às necessidades específicas de cada paciente, proporcionando cuidados integrados e contínuos que melhoram significativamente a qualidade de vida dos pequenos e suas famílias em todo o estado.

Entre as diversas histórias registradas durante a caravana, está a de Maria do Socorro, mãe de Ana Júlia de Sousa Santos, uma menina de 7 anos diagnosticada com cardiopatia e síndrome de Williams - uma condição genética rara caracterizada por problemas cardiovasculares, retardo mental leve e características faciais distintas. “Minha filha Ana Júlia tem uma cardiopatia e foi encaminhada para uma cirurgia pela caravana, que foi realizada no Hospital Metropolitano. A caravana tem um cuidado excelente com as crianças, porque não precisamos nos deslocar para outras cidades. Ana Júlia é acompanhada pela caravana desde os 3 anos. Além da cardiopatia, ela também tem síndrome de Williams e um problema no joelho. O apoio e o acompanhamento contínuo da caravana têm sido fundamentais para a saúde e bem-estar dela”, comentou.

A Caravana da Rede Cuidar também oferece capacitações para os profissionais locais, abordando temas como “Reanimação Neonatal para Profissionais não Médicos nas Maternidades da Região” e “Identificação e Captação Precoce da Endometriose na Atenção Básica”. Essa iniciativa não apenas melhora o atendimento imediato, mas também fortalece a capacidade de resposta das equipes de saúde locais.

Nesta quarta-feira (10), a caravana visita o município de Picuí e segue o calendário: Guarabira (11/07), Itabaiana (12/07) e o encerramento em Mamanguape (13/07). A ação está mobilizando 100 profissionais, sendo 80 da Caravana e 20 locais, incluindo médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, assistentes sociais, nutricionistas, fisioterapeutas e odontólogos, com a maioria dos profissionais atuando de forma voluntária.

Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
Foto: Reprodução/Secom Paraíba
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários